PUBLICIDADE
Irmão da cantora Damares fala sobre carreira musical
01/10/2018 21:11 em Música

Ageu Alves, irmão da cantora Damares, também iniciou carreira musical. Os dois já tinham trabalhado juntos na canção Meu Milagre, em maio. Ele agora planeja dar continuidade ao chamado de Deus para sua vida.

Como surgiu sua chegada ao cenário musical cristão?
Comecei a cantar há 18 anos, incialmente usando playback de outros cantores. E, há um ano, Deus me deu o privilégio de gravar o meu primeiro álbum, Meu Milagre, com a participação da minha irmã. E, agora, estou na caminhada, correndo atrás, iniciando com a Sony Music.

Já tinha cantado com a Damares antes, por exemplo, em igrejas?
Antes de Meu Milagre, eu nunca tinha cantado com a minha irmã, a não ser em igrejas. Mas nesse CD, ela fez participação. E, para mim, é um privilégio porque ela é uma cantora que Deus levantou nesse Brasil. Mas acontece tudo no devido tempo, pois ela tem muitos compromissos. Ela me apoia, mas não impõe às pessoas que me aceitem porque somos irmãos. Tudo é natural.

Fale sobre seu ministério como cantor.
Canto bastante em igrejas. Pensei em gravar após começar a cantar. Eu cantava na igreja, mas era bastante tímido. Porém, Deus foi colocando no meu coração o desejo de gravar um CD e eu esperei o tempo de Deus. E hoje está aí, Meu Milagre, para a honra e glória de Deus. Deus me chamou para cantar.

Fale sobre o estilo musical do seu álbum. As canções são suas?
Meu estilo é sertanejo pentecostal. Eu componho e algumas de minhas músicas já foram gravadas por outros cantores. Meu álbum tem dez músicas, e algumas são composições minhas.

Você falou sobre o tempo de Deus. Como foi esse chamado?
Ele falou comigo há bastante tempo, que tinha me escolhido também no meio da família para adorar o nome Dele, e eu esperei. Fui cantando nas igrejas e, agora, chegou o tempo de Deus. É importante esperar as coisas acontecerem naturalmente na vida. Mesmo sendo irmão de uma cantora famosa, o que Deus tem para ela é para ela. E o que Ele tem para mim, é para mim.

Você também é pastor, como seu pai, o saudoso pastor Antônio? Como é ter o cumprimento da promessa sem ele aqui?
Eu não sou pastor. A morte dele foi uma perda muito grande na família. Quando cheguei aqui, pensei que meu pai era para estar me acompanhando, mas ele sabia que tudo isso iria acontecer. Deus usava ele para falar comigo também. O importante é que ele está com Jesus.

COMENTÁRIOS